Concurso Nova Sede Clube Curitibano
ficha técnica e memorial
Concurso Nova Sede Clube Curitibano
ficha técnica e memorial
Concurso Nova Sede Clube Curitibano
ficha técnica e memorial
Ano:
2014
Local:
Curitiba - PR
Equipe:
Alexandre Ruiz da Rosa
Haraldo Hauer Freudenberg
Rodrigo Vinci Philippi
Thais Saboia Martins
André Bihuna D’Oliveira
Felipe Zarpelon
Designer Taciane Aparecida Micheten
Consultores:
Eng. Civil Charles Jaster
Eng. Mecânico Aloísio Schmid
Eng. Elétrico Eduardo Ribeiro

A estratégia apresentada para o estudo de ideias de solução arquitetônica para a Sede Mercês do Clube Curitibano foca seu partido na maximização do potencial construtivo. Considerando os limites construtivos impostos pela legislação, somados a presença de um bosque nativo e o desejo do clube de conservar equipamentos existentes traçam-se possibilidades de edificação em até 06 pavimentos cumprindo os 10.000m2 computáveis, cumprindo com o programa solicitado. As grandes dimensões requeridas pelas quadras esportivas, o acesso possível pela Rua Jacarezinho, e a presença de uma araucária na margem oriental, marcam a segunda série de restrições que condicionam o projeto de duas edificações: a primeira de planta central e quadrada, e a segunda em forma de bloco longitudinal ao longo da área esportiva. Dois edifícios morfologicamente distintos mas semelhantes em linguagem arquitetônica, que respeitam por distância e escala o entorno de vizinhança residencial já construído.

Guiado pela melhor orientação solar, por ser legalmente viável, e devido à proximidade ao bosque nativo, a área das piscinas descobertas ocupa a parcela ocidental do terreno, adjacente ao edifício de planta quadrada. Esta localização garante a este espaço a proteção visual dos terrenos adjacentes, a proximidade com o espaço de vestiários no subterrâneo e o fácil acesso às demais instalações esportivas, de lazer e sociais.

O bloco principal, acompanhando as tendências arquitetônicas da contemporaneidade, assume a tarefa de reunir em um único edifício-massa um programa polifuncional de atividades sociais, de lazer e esportivas: restaurante-mirante, salões de festa, academia, lanchonete e administração. Seu posicionamento no terreno responde estrategicamente aos eixos longitudinal (norte e sul – Rua Solimões e Bosque Nativo) e transversal (leste e oeste- Rua Jacarezinho: o acesso principal e Rua dos Capuchinhos). Esta implantação confere ao edifício belas visuais panorâmicas do bairro das Mercês, do bosque e das instalações esportivas e de lazer do clube.


Ano:
2014
Local:
Curitiba - PR
Autores:
Alexandre Ruiz da Rosa Haraldo Hauer Freudenberg Rodrigo Vinci Philippi Thais Saboia Martins
Colaboradores:
André Bihuna D’Oliveira Felipe Zarpelon Designer Taciane Aparecida Micheten
Consultores:
Eng. Civil Charles Jaster Eng. Mecânico Aloísio Schmid Eng. Elétrico Eduardo Ribeiro

A estratégia apresentada para o estudo de ideias de solução arquitetônica para a Sede Mercês do Clube Curitibano foca seu partido na maximização do potencial construtivo. Considerando os limites construtivos impostos pela legislação, somados a presença de um bosque nativo e o desejo do clube de conservar equipamentos existentes traçam-se possibilidades de edificação em até 06 pavimentos cumprindo os 10.000m2 computáveis, cumprindo com o programa solicitado. As grandes dimensões requeridas pelas quadras esportivas, o acesso possível pela Rua Jacarezinho, e a presença de uma araucária na margem oriental, marcam a segunda série de restrições que condicionam o projeto de duas edificações: a primeira de planta central e quadrada, e a segunda em forma de bloco longitudinal ao longo da área esportiva. Dois edifícios morfologicamente distintos mas semelhantes em linguagem arquitetônica, que respeitam por distância e escala o entorno de vizinhança residencial já construído.

Guiado pela melhor orientação solar, por ser legalmente viável, e devido à proximidade ao bosque nativo, a área das piscinas descobertas ocupa a parcela ocidental do terreno, adjacente ao edifício de planta quadrada. Esta localização garante a este espaço a proteção visual dos terrenos adjacentes, a proximidade com o espaço de vestiários no subterrâneo e o fácil acesso às demais instalações esportivas, de lazer e sociais.

O bloco principal, acompanhando as tendências arquitetônicas da contemporaneidade, assume a tarefa de reunir em um único edifício-massa um programa polifuncional de atividades sociais, de lazer e esportivas: restaurante-mirante, salões de festa, academia, lanchonete e administração. Seu posicionamento no terreno responde estrategicamente aos eixos longitudinal (norte e sul – Rua Solimões e Bosque Nativo) e transversal (leste e oeste- Rua Jacarezinho: o acesso principal e Rua dos Capuchinhos). Esta implantação confere ao edifício belas visuais panorâmicas do bairro das Mercês, do bosque e das instalações esportivas e de lazer do clube.



Ano:
2014
Local:
Curitiba - PR
Autores:
Alexandre Ruiz da Rosa Haraldo Hauer Freudenberg Rodrigo Vinci Philippi Thais Saboia Martins
Colaboradores:
André Bihuna D’Oliveira Felipe Zarpelon Designer Taciane Aparecida Micheten
Consultores:
Eng. Civil Charles Jaster Eng. Mecânico Aloísio Schmid Eng. Elétrico Eduardo Ribeiro

A estratégia apresentada para o estudo de ideias de solução arquitetônica para a Sede Mercês do Clube Curitibano foca seu partido na maximização do potencial construtivo. Considerando os limites construtivos impostos pela legislação, somados a presença de um bosque nativo e o desejo do clube de conservar equipamentos existentes traçam-se possibilidades de edificação em até 06 pavimentos cumprindo os 10.000m2 computáveis, cumprindo com o programa solicitado. As grandes dimensões requeridas pelas quadras esportivas, o acesso possível pela Rua Jacarezinho, e a presença de uma araucária na margem oriental, marcam a segunda série de restrições que condicionam o projeto de duas edificações: a primeira de planta central e quadrada, e a segunda em forma de bloco longitudinal ao longo da área esportiva. Dois edifícios morfologicamente distintos mas semelhantes em linguagem arquitetônica, que respeitam por distância e escala o entorno de vizinhança residencial já construído.

Guiado pela melhor orientação solar, por ser legalmente viável, e devido à proximidade ao bosque nativo, a área das piscinas descobertas ocupa a parcela ocidental do terreno, adjacente ao edifício de planta quadrada. Esta localização garante a este espaço a proteção visual dos terrenos adjacentes, a proximidade com o espaço de vestiários no subterrâneo e o fácil acesso às demais instalações esportivas, de lazer e sociais.

O bloco principal, acompanhando as tendências arquitetônicas da contemporaneidade, assume a tarefa de reunir em um único edifício-massa um programa polifuncional de atividades sociais, de lazer e esportivas: restaurante-mirante, salões de festa, academia, lanchonete e administração. Seu posicionamento no terreno responde estrategicamente aos eixos longitudinal (norte e sul – Rua Solimões e Bosque Nativo) e transversal (leste e oeste- Rua Jacarezinho: o acesso principal e Rua dos Capuchinhos). Esta implantação confere ao edifício belas visuais panorâmicas do bairro das Mercês, do bosque e das instalações esportivas e de lazer do clube.