Concurso Anexo da Biblioteca Nacional
ficha técnica e memorial
Concurso Anexo da Biblioteca Nacional
ficha técnica e memorial
Concurso Anexo da Biblioteca Nacional
ficha técnica e memorial
Ano:
2014
Local:
Rio de Janeiro - RJ
Equipe:
Alexandre Ruiz da Rosa
Rodrigo Vinci Philippi
Josep Ferrando Bramona
Thais Saboia Martins
David Recio
André Bihuna D’Oliveira
Eduardo Cecco
GoUn
TaeGweon
Haraldo Hauer Freudenberg
Oficina Crinis(Imagens)
Protótipo(Imagens)
Consultores:
Eng. Civil Charles Jaster
Eng. Mecânico Aloísio Schmid

Um projeto resultante da requalificação de seu entorno. Esta é a história do projeto do Anexo da Fundação Biblioteca Nacional, um edifício de tipologia industrial transformado a partir do impacto que o plano de requalificação da Área Portuária conferiu a seu contexto urbano.

Três aspectos foram determinantes para o partido arquitetônico: 1. As novas relações estabelecidas pelo perímetro passível de construção (edifício-quadra) e o bairro que se configura (Porto Maravilha); 2. A particularidade do projeto em andamento no Bloco Central – o Armazém de Livros; 3. A importante missão na criação de uma nova sede para a Coleção de Periódicos e Periódicos Raros da Biblioteca Nacional.

O espaço da Biblioteca é configurado por um invólucro têxtil que abrange o Bloco Central preservado (Armazém). Esta pele atua formalmente se diluindo em dois sentidos opostos: direcionando a vista do novo volume edificado na ala leste para o Cais do Porto e a Baía de Guanabara, onde foram posicionadas as funções públicas (Biblioteca Nacional, Biblioteca Pública e Virtual); na nova ala oeste, reservada para parte dos Setores de Trabalho e Serviço, a vista interna é conduzida para o Morro da Providência.

O material têxtil do envoltório proposto - painéis que recobrem superfícies de alvenaria ou de vidro - é produzido a partir da fibra de vidro, assegurando o conforto térmico da edificação. O projeto optou pela dualidade de um interior caixa-forte (armazém de livros associado a novos núcleos de circulação vertical) contrastando com um exterior de imaterialidade e leveza.

Como uma subtração no embasamento do volume, o acesso de público beneficia quem acede pelo novo passeio do porto assim como pela estação de BRT, através de uma galeria que amplia a calçada da Via Binário e setoriza para o exterior as funções de restaurante, café e livraria. O projeto do Anexo da BN busca, portanto, dialogar com o espaço público, além de valorizar os pontos focais (ora mar, ora morro) da cidade do Rio de Janeiro.


Ano:
2014
Local:
Rio de Janeiro - RJ
Autores:
Alexandre Ruiz da Rosa Rodrigo Vinci Philippi Josep Ferrando Bramona Thais Saboia Martins David Recio
Colaboradores:
André Bihuna D’Oliveira Eduardo Cecco GoUn TaeGweon Haraldo Hauer Freudenberg Oficina Crinis(Imagens) Protótipo(Imagens)
Consultores:
Eng. Civil Charles Jaster Eng. Mecânico Aloísio Schmid

Um projeto resultante da requalificação de seu entorno. Esta é a história do projeto do Anexo da Fundação Biblioteca Nacional, um edifício de tipologia industrial transformado a partir do impacto que o plano de requalificação da Área Portuária conferiu a seu contexto urbano.

Três aspectos foram determinantes para o partido arquitetônico: 1. As novas relações estabelecidas pelo perímetro passível de construção (edifício-quadra) e o bairro que se configura (Porto Maravilha); 2. A particularidade do projeto em andamento no Bloco Central – o Armazém de Livros; 3. A importante missão na criação de uma nova sede para a Coleção de Periódicos e Periódicos Raros da Biblioteca Nacional.

O espaço da Biblioteca é configurado por um invólucro têxtil que abrange o Bloco Central preservado (Armazém). Esta pele atua formalmente se diluindo em dois sentidos opostos: direcionando a vista do novo volume edificado na ala leste para o Cais do Porto e a Baía de Guanabara, onde foram posicionadas as funções públicas (Biblioteca Nacional, Biblioteca Pública e Virtual); na nova ala oeste, reservada para parte dos Setores de Trabalho e Serviço, a vista interna é conduzida para o Morro da Providência.

O material têxtil do envoltório proposto - painéis que recobrem superfícies de alvenaria ou de vidro - é produzido a partir da fibra de vidro, assegurando o conforto térmico da edificação. O projeto optou pela dualidade de um interior caixa-forte (armazém de livros associado a novos núcleos de circulação vertical) contrastando com um exterior de imaterialidade e leveza.

Como uma subtração no embasamento do volume, o acesso de público beneficia quem acede pelo novo passeio do porto assim como pela estação de BRT, através de uma galeria que amplia a calçada da Via Binário e setoriza para o exterior as funções de restaurante, café e livraria. O projeto do Anexo da BN busca, portanto, dialogar com o espaço público, além de valorizar os pontos focais (ora mar, ora morro) da cidade do Rio de Janeiro.



Ano:
2014
Local:
Rio de Janeiro - RJ
Autores:
Alexandre Ruiz da Rosa Rodrigo Vinci Philippi Josep Ferrando Bramona Thais Saboia Martins David Recio
Colaboradores:
André Bihuna D’Oliveira Eduardo Cecco GoUn TaeGweon Haraldo Hauer Freudenberg Oficina Crinis(Imagens) Protótipo(Imagens)
Consultores:
Eng. Civil Charles Jaster Eng. Mecânico Aloísio Schmid

Um projeto resultante da requalificação de seu entorno. Esta é a história do projeto do Anexo da Fundação Biblioteca Nacional, um edifício de tipologia industrial transformado a partir do impacto que o plano de requalificação da Área Portuária conferiu a seu contexto urbano.

Três aspectos foram determinantes para o partido arquitetônico: 1. As novas relações estabelecidas pelo perímetro passível de construção (edifício-quadra) e o bairro que se configura (Porto Maravilha); 2. A particularidade do projeto em andamento no Bloco Central – o Armazém de Livros; 3. A importante missão na criação de uma nova sede para a Coleção de Periódicos e Periódicos Raros da Biblioteca Nacional.

O espaço da Biblioteca é configurado por um invólucro têxtil que abrange o Bloco Central preservado (Armazém). Esta pele atua formalmente se diluindo em dois sentidos opostos: direcionando a vista do novo volume edificado na ala leste para o Cais do Porto e a Baía de Guanabara, onde foram posicionadas as funções públicas (Biblioteca Nacional, Biblioteca Pública e Virtual); na nova ala oeste, reservada para parte dos Setores de Trabalho e Serviço, a vista interna é conduzida para o Morro da Providência.

O material têxtil do envoltório proposto - painéis que recobrem superfícies de alvenaria ou de vidro - é produzido a partir da fibra de vidro, assegurando o conforto térmico da edificação. O projeto optou pela dualidade de um interior caixa-forte (armazém de livros associado a novos núcleos de circulação vertical) contrastando com um exterior de imaterialidade e leveza.

Como uma subtração no embasamento do volume, o acesso de público beneficia quem acede pelo novo passeio do porto assim como pela estação de BRT, através de uma galeria que amplia a calçada da Via Binário e setoriza para o exterior as funções de restaurante, café e livraria. O projeto do Anexo da BN busca, portanto, dialogar com o espaço público, além de valorizar os pontos focais (ora mar, ora morro) da cidade do Rio de Janeiro.